Como ficam as competências no Novo Normal?

Nossas empresas e seus controladores ou executivos estão acostumados a lidar com crises, pelo menos desde o final da década de 70, no primeiro choque do petróleo. Tivemos situações dos mais diversos tipos, com a mudança de cenário que dificultava o planejamento e qualquer tipo de previsão.

Todas essas situações quase sempre eram relacionadas com questões econômica brasileiras, associadas a um contexto econômico mundial.

O atual momento da pandemia é diferente. O mundo todo está sofrendo com os danos na saúde, com a perda de vidas e com danos de grande monta na economia, mesmo nos chamados países desenvolvidos.

No Brasil, onde estamos no momento de flexibilização das chamadas medidas de isolamento, as empresas e organizações passam por momentos difíceis, seja de escassez do caixa, necessidade de repensarem seu propósito e as suas estratégias e o como repensarem o papel das Pessoas. Nesse contexto a área de RH deverá contribuir, não só de forma reativa às demandas emergenciais, mas principalmente sobre os aspectos de governança, adoção tecnológica e cultura organizacional.

Em governança, uma das ações que chamou muito a atenção, foi a criação de comitês de crise, formais ou não, que consolidavam a preocupação de se estar constantemente monitorando as consequências da crise dentro da empresa e de encontrar soluções adequadas a um panorama imensamente volátil, tais como aquelas que afetam diretamente o quadro de colaboradores, como a manutenção ou não de contratações, o lidar com casos de pessoas infectadas, higienização do ambiente, definição sobre quais áreas continuariam em ação nas instalações físicas e aquelas que iriam para o tele trabalho.

No que diz respeito à tecnologia, diversas ações passaram pelo auxílio, estrutural ou financeiro, para as pessoas trabalharem a partir de suas residências, seja em termos de equipamentos, protocolos de segurança, dispositivos para videoconferências etc., além de proporcionar treinamento e suporte para o uso dessas novas plataformas.

Por fim e aonde gostaria de me deter um pouco mais, é aquele onde normalmente se exige mais tempo para as mudanças se efetivarem, particularmente na adaptação ao Novo Normal: aspectos comportamentais, associado à cultura, aos valores e às competências.

As urgentes mudanças estratégicas dos negócios, a necessária redução de despesas, as consequentes reestruturações do quadro, o desafio do menor contato presencial, ou o em relação ao trabalho das atividades essenciais, mediadas agora por EPI e as demandas de extrema higienização, acabam por exigir mudança de comportamento e com fortes impactos psicossociais.

Diante desse quadro, certas competências passaram a ser fundamentais para as empresas e isso, de uma forma ou outra, exigirá fortes mudanças nas culturas organizacionais.

Já há alguns anos, as novas tendências em RH apontavam para o que chamamos de Learning Agility, associado às metodologias ágeis, proporcionando trabalho em projetos de maneira muito mais rápida e eficiente. Essa metodologia se insere no chamado “mundo VUCA”, onde acreditamos que o futuro do trabalho se insere. Trata-se de uma sigla em inglês que define o mundo atual. Vamos à definição:

  • Volatile - Mudanças rápidas e constantes. Maior velocidade, volumes e escala
  • Uncertain - Dificuldade de previsões e compreensão dos eventos
  • Complex - Falta de conexão clara entre causa e efeito. Número maior de aspectos envolvidos, muitas variáveis
  • Ambiguous - Falta de precisão e existência de múltiplos significados nas condições que nos rodeiam.Maior dificuldade na interpretação dos fatos (“pode ser, pode não ser”)
  • Autoconhecimento - autoconhecer-se sempre será necessário tanto para aumentar sua eficácia profissional como para melhorar a forma que age dentro e fora de grupos e organizações.
  • Agilidade Mental - os comunicadores virtuais, como Zoom, Skype e outros já bastante utilizados anteriormente, tornaram-se vitais para sequência da maioria dos negócios. Seu uso exige que tenhamos agilidade para atuar e responder em várias tarefas ao mesmo tempo, com várias pessoas, em lugares diferentes e muitas vezes em línguas diferentes.
  • Agilidade interpessoal - o contato presencial tem sutilezas de comunicação não verbal que muitas vezes as videoconferências não captam; mais atentos deveremos estar a como nos relacionar nesse contexto.
  • Agilidade para mudanças – grandes companhias declaram que vão migrar boa parte ou até 100% de seus colaboradores para tele trabalho (ou home office), o que exige mudança de hábitos, de gerenciamento, de disciplina e até atenção a aspectos regulatórios.
  • Agilidade para resultados – tenho ouvido muita gente comentar: “Nossa, nunca trabalhei tanto como antes, são 7 ou 8 reuniões por dia e sobra a noite para poder processar e elaborar as tarefas e decisões.” O novo normal está demandando mais, não vamos nos esquecer que, dependendo da situação, não teremos mais os tempos anteriormente requeridos de deslocamento casa-trabalho ou até o restaurante ou até o shopping etc.

Os fundamentos do Learning Agility se encaixam à perfeição como resposta comportamental ao mundo VUCA. A rapidez de mudanças, a dificuldade de previsões, a multifatorialidade dos fenômenos e a ambiguidade na interpretação dos fatos já era flagrante antes da pandemia e só tende a ganhar relevo, dado o nosso atual momento.

Os desafios para o trabalho nesse momento de pandemia e a partir das medidas de flexibilização do isolamento social, podem ser mais prontamente superados caso as competências e os comportamentos do quadro de colaboradores estejam mais alinhados aos componentes chave do Learning Agility:

Esse conjunto de competências possuem uma série de desdobramentos que poderemos discutir em próximas ocasiões. Mas, mais do que nunca as competências de Learning Agility farão a diferença de como será nossa adaptação ao Novo Normal.

E para que essas competências se instalem o primeiro procedimento  é realizar um assessment adequado. Ainda há poucas ferramentas que medem essas competências, há uma interessante conversa sobre esse assunto. Deixem seus comentários.

Post relacionado